15 agosto, 2015

Reflexo

No momento me encontro assim... Necessitando de qualquer coisa que me faça uma pessoa pior. Dizer o que as pessoas querem que eu diga deve ser reconfortante a partir do momento em que você não quer saber dos resultados. Me deixe dentro de mim mesma com todos os pedidos para a vida perfeita.

Diante de todos os motivos que eu teria para seguir em frente, não poderia existir nada que me faça ficar. E talvez não exista. Trata-se do aqui e agora, limpo e seco, claro e cristalino, 8 ou 80.

Recebi notícias que poderiam ter me deixado para baixo, que poderiam ter me feito chorar e eu com certeza tentei fazê-lo. Em resposta: Nada. Absolutamente dependente da tristeza ou do fracasso, ou qualquer coisa que se pareça com isso.

Ficar bem, não é o tipo de escolha perfeita pra alguém derrotista assim, é? Embora o estado de "estar bem" seja agradável... Não quer dizer que esteja certo. Que as escolhas tenha sido as certas. Que você não esteja ou tenha estado errado.

Forçar mais uma vez, é disso que se trata. É assim que funciona, na fossa, no escuro, no choro.

Lembrar-se de tudo e estar bem com isso, é o tipo de coisa que nenhum egoísta faria.

Desejo mais linhas, mais pensamentos, mais casos mal resolvidos, mais história... O que eu tenho é pouco, muito pouco. Egoísmo é a parte que deixa tudo mais frio. Compaixão é o que deixa tudo mais humano. O meio termo sou eu, ou talvez a balança que pesa pro lado errado.

E que me entendam como certa ou errada, que eu seja o reflexo do que se quer ver, que eu esteja presente de qualquer forma... Quem se importa?

Para mim, o que me deixe ir em frente. Para você, todas as opções que poderem existir. Para o resto do mundo, tanto faz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Patrícia Muniz - 2014/2016. Todos os direitos reservados. || Design by: Patrícia Muniz. Voltar ao topo ↟