20 junho, 2014

Timidez que poucos entendem...

Oi, eu sou Alice... Desculpe o mau jeito, minha timidez é bem clara mesmo através de algumas poucas palavras... A verdade é que nunca sei bem o que dizer e de repente assuntos tão naturais se tornam bichos de sete cabeças.

Ando bem pensativa ultimamente, o que não é bem uma surpresa para o mundo, já que pessoas tímidas passam o dia fazendo o que fazem de melhor: PENSAR!

Talvez não seja a coisa mais complexa do mundo, não pra você que é descolado e social, é coisa que só pessoas tímidas entendem e espero não puxar a orelha de algumas pessoas mas, são tipo mil olhos te encarando e você não sabe se o que está fazendo é realmente certo, tudo isso só está acontecendo porque parte da sua vida fizeram o favor de privar e acabaram por te  colocar numa redoma de vidro.  Eu não consigo ser o tipo de pessoa que se destaca. É um tipo de chave que tranca e destranca os sentimentos e a impulsividade? Sinceramente, se houvesse uma chave tornaria as coisas bem mais simples... Mas, parece que alguém tem que decidir quem é entre aspas “o popular” e quem é “o apagado”, o que até entra no contexto da popularidade que não é assunto pra hoje.

Minha vida nem tem tanta emoção, então eu vim aqui dizer algumas palavras mesmo sendo de forma tão desajeitada, e não, eu não estou tentando parecer uma daquelas personagens de livros fictícios, mas quem está se importando não é mesmo? Eu não sei se vocês perceberam mas eu estou rodando um pouco no assunto, talvez seja meu medo de encarar a realidade ou de ser mais rejeitada, aquela coisa toda de autoestima que não vejo há um bom tempo ou sei lá...


Queria muito que as pessoas me conhecessem de verdade, quando eu sento no fundo da sala de aula bem lá no cantinho da parede, fico imaginando se eu fizesse parte do grupo das pessoas que expressam suas opiniões sem vergonha ou medo de ser uma total idiota, certo que as coisas fúteis são desagradáveis mais o fútil costuma ser tão legal as vezes que até dá vontade de participar um pouco. 


Tudo isso, toda essa coisa de tentar aparecer ou perder a vergonha... Parece bem sem sentido pra quem anda olhando de fora, mas insegurança é um caso sério de personalidade e tudo bem que alguns te olhem com cara de pena ou sei lá, acho que são coisas que não são tão fáceis de entender e mesmo que fossem: adiantaria? Talvez eu esteja farta de tudo isso, talvez eu queira dizer algo... Mais querer nem sempre é poder e mesmo que eu tivesse esse poder, eu travaria. Travaria como aquela máquina de escrever velha que vive na escrivaninha do meu avô, na maioria das vezes, empoeirada. 

Medo de falar, medo de agir, medo de ser eu mesma... 

_ Alice! Vem jantar!
_ Não estou com fome mãe!

Tudo isso parece ser tão... Desajustado e fora do lugar! Minha mãe, ela não me entende totalmente, mas tenta, eu tenho um irmãozinho mais novo e ele gosta muito de aparecer e minha melhor amiga vive querendo que eu saia mais, que eu me expresse... Mas tenho a sensação de que as pessoas podem querer se manter afastadas então não faço nada.

De qualquer forma: poucos entendem tudo isso, ou pelo menos é o que eu acho... Tudo bem, talvez tudo fique tudo bem... Me desculpem por tudo isso, mas essa foi a maneira que eu achei de tentar dizer algo, o que tecnicamente não é dizer e sim escrever! Escrever algumas coisas que podem não ter sentido algum, mas que talvez tenha...

Eu não posso ficar muito tempo, minha mãe provavelmente está na cozinha pensando no que eu estou fazendo ou se perguntando porque eu sou assim. Então: Até quem sabe um dia...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Patrícia Muniz - 2014/2016. Todos os direitos reservados. || Design by: Patrícia Muniz. Voltar ao topo ↟